“Histórias da Moeda – O Parapente

Clube de Vôo Livre Belo Horizonte : http://www.serradamoeda.com.br
O primeiro vôo de um parapa na Moeda deu-se no dia 8 de janeiro de 1988.  Foi um gringo que tinha ido a Valadares e resolveu da uma esticada em BH.  Já havia pilotos cariocas, gaúchos e paulistas. O primeiro mineiro a voar da Moeda foi o Marcinho, instrutor de asa-delta, no parapa deste gringo, no mesmo dia. O parapinha era tão ruim que pousou no meio da montanha. Não chegou nem no plano à frente de rampa Moedinha, lá na biruta sul. No dia seguinte foi a vez do Bruno Jelineck decolar com o mesmo parapa. Ficou pela montanha tb.
Passaram-se uns 4 anos até que aparecesse outro parapente por aqui. Um italiano, chamado Alessandro, casado com uma brasileira, passou uns tempos por aqui e começou a dar instrução para uma turma de amigos e conhecidos, todos neófitos no vôo. Desta turma, fazia parte o Henry Yu, entre outros pioneiros. Depois de uns dias o Alessandro precisou voltar para a Itália e deixou uns alunos formados, outros nem tanto.
Logo depois, em 1993, o Rui Marra, então campeão brasileiro de parapente, formou uma nova turma e habilitou alguns em uma semana. Fiz parte desta turma e me formei em Valadares, em pleno campeonato mundial de paraglider, com uma aula teórica (metade dela eu mesmo dei, à pedido do Rui) e 3 práticas. Matei outras 3 pois fui para Valadares antes do curso terminar, onde me encontrei com o Rui e fiz meu vôo solo. Detalhe: decolei num Classic da Fun Glider (hoje Sol), sem reserva, joguei na concha às 4 da tarde, o parapinha de escola não conseguiu entrar na térmica que tinha bombado o dia inteiro (inclusive obrigando 2 gringos a comandarem o reserva), parachutou uns 30 metros e caí no degrau, a uns 5 metros do abismo. Subi de volta à pé com o parapa embolado e decolei de novo. Tava batizado!
Depois o Lúcio Vasconcelos e um amigo seu do Rio, que esqueci o nome, vinham todo final de semana dar instrução para para novos alunos e continuou assim por muito tempo, até que o Lúcio continuou sozinho.
A Moeda foi palco de vários eventos nacionais de parapente, com destaque para o Fourteen, o campeonato brasileiro de 1999 e o de 1994, que teve apenas a primeira prova válida, quando foi estabelecido o recorde local de 82 km, que durou um bom tempo, até ser batido pelo Glayssinho (118 km) e pulverizado pelo Baiano (164 km).

Hoje, como eu já havia previsto e declarado, a Moeda é um dos raros picos do mundo onde o recorde de distância em parapa é maior do que o recorde de asa-delta (150 km). LUCAS – Clube de Vôo Livre Belo Horizonte

FOTOS deste blogueiro, amante das coisas de Minas.

Anúncios

Sobre Sabino

Aproximei pelo que vi, permaneci, ou não, pelo que descobri.
Esse post foi publicado em Entretenimento. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para “Histórias da Moeda – O Parapente

  1. Carlos Unity disse:

    O Topo do mundo é um belo lugar para se visitar quando se vai a BH. O restaurante é topo mas a rampa de Voo é mais bela ainda. Os parapentes deixam a serra ainda mais bonita. Fora a boa trilha para se fazer uma caminhada. Ô saudade viu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s