Correntes mentais

Hoje me deparei com uma imagem que detonou um insight: ” Quantas vezes ficamos sem ação diante de um problema que nos acomete, antes mesmo de compreende-lo. Por medo, por vergonha, por preconceito, por ansiedade. O que são essas “amarras” que nos imobiliza? São as “correntes” mentais, psicológicas. Assim como na técnica utilizada para manter o elefante em cativeiro, nós seres humanos, somos submetidos, desde o nascimento, à processos educacionais que podem tanto contribuir para o aperfeiçoamento de todas nossas faculdades humanas como podem nos adestrar para cumprirmos destinos que não foram escolhas nossas. Outra imagem interessante que me motivou a refletir sobre a influência da doutrinação foi essa ao lado: a do burro amarrado na cadeira.É verdade, o burro não sai do lugar. Lembrei da época que ia para a fazenda de algum amigo e saíamos para galopar. Quando chegávamos a determinado destino, ou tínhamos que descer do cavalo, bastava colocar o cabresto (aquela cordinha usada para guiar o cavalo) sobre uma ripa do curral ou sobre o galho de uma árvores e o cavalo ficava ali, quietinho, esperando alguém “desamara-lo”. Ele não fugia apesar de não estar de fato preso, amarrado. Isso não é lenda. Assim como, o elefante, o cavalo se sente amarrado. Na verdade aprisionado. E eles estão, porém, são amarras “condicionadas”, psicológicas (se é que no caso dos animais podemos classificar dessa forma. Aqui Eu me dou a esse direito.) que os impedem de fugir.
Agora, querem ver uma coisa: joguem uma cobra nesse burro ai ou soltem um traque perto dele ou encha o saco dele. O que acham que vai acontecer? Não preciso responder claro. No caso do elefante, se ele estiver numa tenda de circo, experimente botar fogo na tenda pra vê se o bicho não se machuca todo, mas arrebenta a estaca e sai fora. Irrita ele pra vê se o bichão não faz o mesmo.
Bom, o que tem isso a ver com o insight que tive? Compreendi onde está a natureza da nossa falta de mobilização para sairmos de situações que nos afligem. Me disseram uma vez que errar é humano, insistir no erro é burrice. E é mesmo. Muitas vezes repetimos erros, porque estamos HABITUADOS a eles. Muitas vezes ficamos imobilizados por MEDO. Muitas vezes deixamos de viver uma experiência nova por VERGONHA. Muitas vezes deixamos de experimentar novas soluções por PRECONCEITO. Essas são as AMARRAS mentais. Identifique-as na sua vida e solte-se. Pode doer um pouco (sair puxando uma cadeira pode não ser muito confortável; arrancar uma estaca pode ser doloroso), mas a liberdade trará novas possibilidades e, com certeza, Vocês vão se libertar da cadeira e da estaca mais adiante.EXPERIMENTA e depois me conta.Eu experimentei a sensação é deliciosa.Pense nisso!
Outra coisa, assim como, para os animais é preciso um estímulo, STRESS, para eles esquecerem as amarras e agirem, para nós seres humanos o mesmo acontece. Precisamos de algum estímulo para acreditar que podemos romper com as amarras mentais. Para isso existem as CRISES. Bendita crise! Você pode, se optar por isso, agir e se soltar por que está com RAIVA, INSATISFEITO, TRISTE, INFELIZ. De qualquer maneira não tenha receio do STRESS gerado por esses sentimentos, ele é necessário. Aproveita deles, não espere que ninguém decida por Você ou o induza. A dosagem é Você quem decide. Quanto maior a dose, maior será o “estrago”.Mas não se preocupe, será para transformar sua vida para melhor. O importante é romper as amarras. Se Você quiser, claro. VOCÊ É O RESPONSÁVEL PELA DECISÃO DE ROMPER. ASSUMA ESSA RESPONSABILIDADE E LIGUE O FODA-SE!

Anúncios

Sobre Sabino

Aproximei pelo que vi, permaneci, ou não, pelo que descobri.
Esse post foi publicado em Pessoal, Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Correntes mentais

  1. path disse:

    Todo mundo quer essa sensação gostosa de liberdade que temos quando somos simplesmente quem somos, que delícia é isso adorei viu
    Beijos no coração

  2. Guilherme disse:

    Uma vez ouvi uma palestra de um tradutor do Dalai Lama. Ele falava sobre a energia que a pessoa precisa ter para “soltar as amarras”. Dai a pessoa quase sempre diz “agora não tô com energia pra isto!” Dai ele disse: “imagina que, depois de um dia de trabalho, vc esteja sentado, totalmente exaurido e descobre que sua casa está em chamas e seu filho está no andar superior! Dai vc tem ou não tem energia pra dar um salto e tentar salvá-lo?”
    Resumindo: energia a gente tem, só não consegue usá-la!

  3. path disse:

    Seu blog esta cada vez mais lindo, cada dia mais gostoso de ler amo passear por aqui e um verdadeiro deleite. …
    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s